O especialista sênior da Kaspersky no Brasil, Fabio Assolini, orienta sobre como evitar que os conteúdos compartilhados pela internet caiam em mãos erradas

Está planejando um encontro virtual para o Dia dos Namorados? Então atente-se aos cuidados com sua cibersegurança. Em tempos de isolamento social, o namoro online vem ajudando casais a manter a chama da relação acesa, mesmo enquanto estão afastados fisicamente. No entanto, é importante lembrar que a internet também é um terreno explorado por cibercriminosos e as informações compartilhadas sempre correm o risco de serem invadidas ou expostas, quando não são tomadas as medidas corretas de proteção.

De acordo com uma pesquisa realizada pela empresa, 34% dos brasileiros já enviaram fotos íntimas a parceiros ou amigos e 28% já tiraram fotos ou se gravaram em uma situação íntima utilizando seu dispositivo móvel – seja celular ou tablet. Um comportamento que por si só é perigoso.

O analista de segurança sênior da Kaspersky no Brasil, Fabio Assolini, traz algumas dicas de segurança digital e ressalta a importância dessas medidas para a privacidade online e para a vida, incluindo a amorosa: “Essa preocupação deve existir em qualquer situação e não apenas quando o smartphone ou tablet é roubado, perdido ou hackeado, já que um acesso sem permissão do proprietário – mesmo que por brincadeira – pode terminar na exposição daquelas fotos íntimas . ”

Evite constrangimento na internet

Para evitar a exposição de fotos íntimas, por exemplo, é fundamental proteger todos os locais onde as imagens estejam armazenadas. Se as fotos estiverem na nuvem e forem enviadas por meio de apps de conversa, o analista da Kaspersky recomenda proteger as imagens com uma senha forte e que não seja repetida, além da ativação da dupla-autenticação no app quando o recurso estiver disponível .

Já os dispositivos em si podem ter sua segurança reforçada com a senha de bloqueio e programas antirroubo, que permitem o acesso ao seu conteúdo de maneira remota, caso este seja perdido ou roubado. Essas medidas, claro, devem ser seguidas por todos os envolvidos na conversa: tanto quem envia, quanto quem recebe precisam estar protegidos.

“O fator determinante para evitar ter dados ou fotos vazadas é entender que qualquer informação ou arquivo que esteja na internet tem a possibilidade de ser acessado por estranhos se medidas de segurança adicionais não forem tomadas, como a restrição de acesso no armazenamento e o correto uso de senhas – principalmente para fotos, pois caso haja um acesso indesejado, a pessoa pode ter sua intimidade exposta”, explica Fabio Assolini .

O analista também indica que os usuários sempre removam os detalhes (metadados) das fotos antes de enviá-las, mesmo a pessoas de confiança e que as fotos não sejam de caráter íntimo. Essas informações podem revelar a localização e o momento em que as imagens foram tiradas. Caso as fotos sejam acessadas por golpistas após um roubo ou invasão ao dispositivo, estes detalhes podem ser usados para personalizar um segundo ataque.

Cuidado com as chamadas em vídeo

Para aqueles que preferem chamada em vídeo, Assolini recomenda muita atenção aos aplicativos escolhidos. Isso porque, devido ao sucesso dessas ferramentas, muitos apps falsos foram criados para a disseminação de malware. Assim, o analista recomenda utilizar somente apps baixados de lojas oficiais.

“Além disso, configure a senha de acesso e a ‘sala de espera’ assim que criou poderá garantir que não haverá intrusos na chamada. Também utilize sempre a versão mais atualizada do app, pois as empresas vão corrigindo os erros identificados ao longo do tempo e as versões mais recentes apresentam menor vulnerabilidade”, completa.

Paqueras enganosas

Para os solteiros que vão aproveitar a data para procurar um novo romance, Assolini faz um importante alerta: cuidado com aquilo que você compartilha com as suas paqueras virtuais. Informações pessoais, fotos íntimas ou chamadas de vídeo mais eróticas só devem ser trocados depois de estabelecer uma relação de confiança com o parceiro. Muito cuidado também com os links que você recebe.

“Cibercriminosos criam perfis falsos em sites de relacionamento para aplicar golpes ou disseminar ataques. Por isso, não divulgue seus perfis de redes sociais nem seu número de telefone para qualquer pessoa. E desconfie quando alguém pedir para você acessar um link, pois ele pode ser uma isca para o roubo de credenciais ou para a instalação de um malware”, atenta.

Caso você tenha conhecido a pessoa num site de relacionamento e queira continuar a conversa no WhatsApp, por exemplo, Assolini recomenda que os usuários criem números virtuais. Assim, o desconhecido não ficará sabendo o seu telefone verdadeiro, enviando assim a aplicação de golpes por engenharia social, caso seja de fato um golpista. “Também é preciso ficar atento a qualquer solicitação para clicar em links ou pedindo para comunicar a senha ou código via SMS, pois isso pode ser ataque de phishing”, ressalta o analista da Kaspersky.

Assolini reforça a importância da instalação de programas de segurança em todos os dispositivos usados para essas conversas, pois serão capazes de reconhecer as ameaças e fazer o bloqueio antes que a vítima seja atacada.

Outro golpe comum em relacionamentos novos e a distância é a extorsão. Depois de longos períodos de flertes, o golpista pede para que a vítima se conecte pela webcam para conversas. A câmera do criminoso está misteriosamente quebrada, mas continuam a enrolar a vítima, de modo a levá-la a tirar a roupa ou outras ações íntimas. “É aí que o golpista revela sua identidade. Ele alega que irá tornar a gravação pública a menos que a pessoa o pague. Uma vez que a vítima obedece, o ciclo-vicioso começa, com novas demandas até que a vítima recuse”, completa Assolini .

Você tem mais dicas sobre segurança digital aqui.

#TODOSEMCASA